Menu


Campanha “Setembro Amarelo” ilumina Ponte da Esperança

  • Publicado em Saúde

Para marcar a campanha de prevenção ao suicídio, Ponte Estaiada recebe iluminação especial na cor amarela, nesta terça-feira (20/09)

A Ponte da Esperança, cartão postal de Hortolândia, tem nova cor, desde a noite desta segunda-feira (19/09). Agora, chama a atenção da comunidade para a prevenção ao suicídio, tema da campanha “Setembro Amarelo”. De acordo com a Secretaria de Planejamento Urbano e Desenvolvimento Estratégico, a iluminação especial, que substitui o roxo da campanha sobre a Fibrose Cística, permanecerá até o final deste mês. Durante o ano, a Prefeitura aciona a iluminação decorativa especial na ponte para conscientizar os moradores sobre datas e campanhas importantes em âmbitos nacional e internacional.

Além da iluminação especial na ponte, a Prefeitura promoverá capacitações sobre suicídio para profissionais de Saúde e de Educação do município. O objetivo é qualificá-los para que estejam aptos a reconhecer, identificar e orientar pessoas que apresentem comportamento suicida, e oferecer-lhes auxílio e, conforme a necessidade, encaminhá-los para que recebam atendimento, acompanhamento e tratamento especializados oferecidos pela Prefeitura. 

A campanha “Setembro Amarelo” surgiu nos Estados Unidos, por causa de um adolescente chamado Mike Emme, de 17 anos, que cometeu suicídio, em 1994. O jovem tinha um carro na cor amarela. No velório, a família e os amigos distribuíram cartões com fitas amarelas para sensibilizar pessoas que estivessem com algum transtorno mental para que procurassem ajuda. A partir daí, a campanha se espalhou em escala mundial.

Unidade de referência

Apesar de ser um tema delicado e ainda considerado tabu na sociedade, o suícidio é um problema de saúde mental que tem preocupado autoridades governamentais e médicas em nível mundial. De acordo com a estimativa da Organização Mundial de Saúde (OMS), órgão vinculado à Nações Unidas, anualmente ocorrem 800.000 suicídios no mundo. Já de acordo com dados do Ministério da Saúde, entre 2010 a 2019 foram registrados no Brasil 112.116 suicídios, com aumento de 43% no número anual de óbitos, de 9.454, em 2010, para 13.523, em 2019.

A Secretaria de Saúde ressalta que o comportamento suicida pode ser agravado por algum transtorno de saúde mental. Nesse caso, a orientação é que pessoas com algum transtorno mental devem procurar atendimento nas UBSs (Unidade Básicas de Saúde). Conforme a avaliação feita pelo especialista da unidade, o paciente será encaminhado para o CAPS (Centro de Atenção Psicossocial)-Vida, órgão da Secretaria de Saúde. Dependendo de cada caso, o paciente recebe acompanhamento e tratamento conjunto da UBS que o atendeu e do órgão. 

O CAPS-Vida é a unidade de referência em Hortolândia para atendimento, acompanhamento e tratamento de pacientes com transtornos mentais complexos e persistentes. O órgão tem equipe multidisciplinar composta por profissionais de psicologia, assistência social, enfermagem, entre outras especialidades. 

O órgão funciona de segunda à sexta-feira, das 8h às 17h, e está localizado na rua João Cancian, 161, Parque Ortolândia. Os telefones de contato são (19) 3819-6852 e (19) 3865-4890. O ógão também realiza atendimento por demanda espontânea. De acordo com o órgão, 699 pacientes recebem acompanhamento atualmente.

Atenção com sinais 

A coordenadora do órgão, Vanessa Faleiros, explica que o suicídio tem causa multifatorial, envolvendo questões de diversos âmbitos. Muitos casos, inclusive, estão associados à presença de transtornos mentais sem o adequado tratamento. 

A coordenadora orienta que deve-se ficar atento com alguns sinais e sintomas que pessoas com comportamento suicida posssam demonstrar, que são os seguintes: mudança de comportamento, perda de interesse em fazer coisas antes prazerosas para a pessoa, isolamento, apresentar sentimentos de culpa, inutilidade, desespero e desesperança, falar sobre como seria melhor estar morto ou, ainda, falar de maneira subentendida por meio de frases como “Quero desaparecer”, “Vocês não vão sentir minha falta”, “Eu sou um peso para as pessoas”, fazer despedidas disfarçadas, mudanças no padrão de sono e alimentação, entre outros.

Mais óbitos entre público masculino

De acordo com dados da Secretaria de Saúde, em Hortolândia as notificações de tentativas de suicídio têm registrado tendência de queda, com aumento apenas em um ano. Os dados são referentes a tentativas por ingestão de substâncias tóxicas (intoxicação exógena). Em 2019, houve 157 notificações de tentativas, das quais 112 por mulheres, 45 por homens e um óbito masculino. Em 2020, foram registradas 135 notificações, sendo 100 por mulheres, 35 por homens e nenhum óbito. Em 2021, foram 158 notificações, das quais 119 por mulheres, 39 por homens e um óbito masculino. Neste ano, até o momento foram registradas 95 tentativas, das quais 66 por mulheres, 29 por homens e nenhum óbito.

A coordenadora Vanessa Faleiros explica que homens buscam meios mais letais de suicídio, e por isso o número de óbitos é maior entre esse público. Já o público feminino tende a cometer mais tentativas. “Em razão do pensamento machista que ainda existe na sociedade, os homens preferem não buscar ajuda para enfrentar o problema que estão tendo e, por isso, procuram meios mais letais para tirar a vida. Já o número de tentativas de suicídio é maior entre as mulheres, que buscam meios mais sutis. E, por vezes, conscientemente ou não, elas tentam assim chamar a atenção para o problema que estão vivenciando, que, na verdade, é um pedido de ajuda”, avalia Vanessa.

O CAPS-Vida também faz o acolhimento e oferece apoio para familiares, parentes e amigos de pessoas que tenham morrido por suicídio. “Em virtude da perda, essas pessoas também sofrem com o sentimento de culpa, de que poderiam ter feito algo para ajudar a pessoa que se foi. Por causa disso, essas pessoas estão mais propensas ao adoecimento e também ao comportamento suicida. Por isso, é importante que elas também sejam acolhidas e que recebam apoio e cuidados”, salienta a coordenadora.

Ponte da Esperança é iluminada de verde e amarelo para homenagear Independência do Brasil

Prefeitura de Hortolândia manterá a iluminação especial durante a “Semana da Pátria”

Durante a “Semana da Pátria”, a Ponte da Esperança, um dos cartões postais de Hortolândia, estará iluminada de verde e amarelo. Segundo a Secretaria de Planejamento Urbano e Desenvolvimento Estratégico, a iluminação especial, implantada desde a noite desta segunda-feira (05/09), ficará até o próximo domingo (11/09), em alusão ao 7 de Setembro, data que celebra a emancipação política do Brasil de Portugal e feriado nacional.

Periodicamente, a Prefeitura projeta cores diferentes na estrutura a fim de homenagear, sensibilizar e conscientizar a população acerca de temas importantes para a sociedade, com repercussão nacional ou internacional. As campanhas mais recentes foram as do “Agosto Laranja”, em razão do mês de conscientização sobre a EM (Esclerose Múltipla), e do “Agosto Lilás”, pelo fim da violência contra a mulher. 

Cor laranja na Ponte da Esperança, em Hortolândia, chama atenção para a Esclerose Múltipla

Prefeitura apoia o mês de conscientização sobre a doença

Sai o lilás e entra o laranja, a nova cor refletida na Ponte da Esperança, em Hortolândia, desde a noite desta segunda-feira (22/08). A iluminação faz alusão à campanha “Agosto Laranja”, em razão do mês de conscientização sobre a EM (Esclerose Múltipla). A cada mês, a Prefeitura, por meio da Secretaria de Planejamento Urbano e Gestão Estratégica, projeta diferentes cores na estrutura a fim de sensibilizar e conscientizar a população acerca de temas importantes para a sociedade, com repercussão nacional ou internacional.

Segundo o Ministério da Saúde, a Esclerose Múltipla é uma doença autoimune, que compromete o sistema nervoso central. Atinge principalmente adultos jovens, entre 18 e 55 anos. A EM afeta as células nervosas (axônios), gerando danos à transmissão dos impulsos elétricos que controlam as funções do organismo. Isso gera consequências como alterações na visão, no equilíbrio e na capacidade muscular.

Com iluminação especial, neste início de mês, Ponte da Esperança indica apoio de Hortolândia à campanha “Agosto Dourado”

Ação da Prefeitura, por meio da Secretaria de Planejamento Urbano e Gestão Estratégica, chama atenção para a campanha de incentivo ao aleitamento materno

Nos dez dias iniciais deste mês, a Ponte da Esperança, em Hortolândia, manterá a iluminação em tons de amarelo, mas, desta vez, para defender outra importante causa. Trata-se agora do apoio à campanha “Agosto Dourado”, de incentivo à amamentação do bebê com o próprio leite materno, em um período em que, no Brasil, é celebrado o “Mês do Aleitamento Materno”. 

Segundo a Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde, o dourado da campanha faz referência ao padrão ouro de qualidade do leite materno, quando comparado a fórmulas, vendidas em latas, e a leites animais. O período comemorativo foi instituído pela Lei nº 13.435/2.017 que determina que, nesta época, ações intersetoriais de conscientização e esclarecimento sobre a importância do aleitamento materno, tais como palestras e eventos junto à comunidade, sejam intensificados. Em Hortolândia, ações como esta são realizadas principalmente pela Secretaria de Saúde.

Por meio da iluminação da Ponte Estaiada, a Prefeitura busca utilizar um dos principais cartões postais de Hortolândia para sensibilizar e conscientizar a população com relação a um tema socialmente relevante. A cada mês apoia-se uma campanha com repercussão nacional ou mesmo internacional.

Ponte da Esperança, em Hortolândia, ganha iluminação especial amarela, neste mês

Ação da Prefeitura chama atenção para a campanha “Julho Amarelo”, de luta e conscientização sobre hepatites virais

 

A Ponte da Esperança, em Hortolândia, já está de iluminação nova. Trocou o violeta, de combate à violência contra o idoso, pelo amarelo, de alerta para a saúde de um órgão vital: o fígado. Desde sexta-feira (01/07), o equipamento integra a campanha do “Julho Amarelo”, de luta e conscientização sobre hepatites virais.

Segundo o Ministério da Saúde, este tipo de doença representa um grave problema de saúde pública não somente no Brasil, mas no mundo. “Trata-se de uma infecção que atinge o fígado, causando alterações leves, moderadas ou graves. Na maioria das vezes são infecções silenciosas, ou seja, não apresentam sintomas. Entretanto, quando presentes, elas podem se manifestar como: cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras”. Outras informações estão disponíveis neste link.

Assim como nas campanhas anteriores, por meio da iluminação da Ponte Estaiada, a Prefeitura busca utilizar um dos principais cartões postais de Hortolândia para sensibilizar e conscientizar a população com relação a um tema socialmente relevante.

Ponte Estaiada ganha iluminação especial, em alusão ao “Junho Violeta”

Ação, iniciada nesta quinta-feira (02/06), chama atenção para o Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa, no dia 15 deste mês

 

A Ponte da Esperança, em Hortolândia, trocou o amarelo, da conscientização por mais segurança viária, pelo violeta. A mudança na iluminação aconteceu na noite desta quinta-feira (02/06) e permanecerá ao longo do mês.

Como nas campanhas anteriores, a ideia da Prefeitura é utilizar um dos principais cartões postais de Hortolândia para sensibilizar e conscientizar a população com relação a um tema relevante. Desta vez, o que está em pauta é a questão da violência contra a pessoa idosa. Criado pela ONU (Organização das Nações Unidas) e pela Rede Internacional de Prevenção à Violência à Pessoa Idosa, em 2006, o Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa acontece em 15 de junho.

Melhor Idade de Hortolândia realiza ato de conscientização

Os Centros de Convivência da Melhor Idade do Remanso Campineiro e do Jardim Amanda farão, no dia 15 de junho, Dia Mundial da Conscientização sobre a Violência Contra Pessoa Idosa, uma ação junto com a comunidade com  a distribuição de panfletos alusivos à proteção e criminalização de atos de violência contra pessoas com 60 anos ou mais. A ação conta com apoio da Secretaria de Governo, por meio do Departamento de Direitos Humanos e Políticas Públicas para as Mulheres.

“A data é um momento onde o mundo se manifesta contra os abusos e sofrimentos recebidos pelas gerações mais velhas. A conscientização é importante e denunciar esse tipo de crime é fundamental”, destacou a psicóloga e coordenadora do Centro de Convivência da Melhor Idade do Remanso Campineiro, Fernanda Fadiga.

A violência contra o idoso pode ser definida como um ato único, repetido ou a falta de ação apropriada, ocorrendo em qualquer relacionamento em que exista uma expectativa de confiança que cause dano ou sofrimento a uma pessoa idosa. “É uma questão social global que afeta a saúde e os direitos humanos de milhões de idosos em todo o mundo e que merece a atenção especial da comunidade”, avaliou Fernanda.

O abuso de idosos ocorre, geralmente, sem que haja reconhecimento ou resposta, pois, até recentemente, esse grave problema social estava oculto à vista do público e era considerado um assunto privado. “Ainda hoje, o abuso de idosos continua sendo um tabu, subestimado e ignorado pela sociedade. No entanto, há evidências que indicam que o abuso de idosos é um importante problema de saúde pública e social”, disse a coordenadora.

A Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos registrou 39.333 denúncias de violência contra idosos no Brasil apenas no primeiro semestre deste ano. O número corresponde a 215 casos por dia e representa mais de 26% do total de relatos recebidos pelo Disque 100, Ligue 180 e aplicativos de Direitos Humanos administrado pelo Governo Federal.