Menu


Superação e vitalidade marcam o 1º Campeonato de Boxe da Melhor Idade de Hortolândia

Evento esportivo na terça-feira (30/04) lotou o Teatro Elizabeth Keller de Matos, no Jd. Amanda

Golpes como jabs, diretos, cruzados, ganchos e uppercuts. Quem compareceu, na terça-feira (30/04), ao Teatro Elizabeth Keller de Matos, no Jd. Amanda, pôde assistir a um campeonato de boxe diferenciado. Isso porque o CCMI (Centro de Convivência da Melhor Idade) do Jd. Amanda organizou o 1º Campeonato de Boxe da Melhor Idade da RMC (Região Metropolitana de Campinas). O evento organizado pelo órgão da Prefeitura vinculado à Secretaria de Governo foi marcado pelo espírito competitivo, superação e reconhecimento do protagonismo da pessoa idosa. Compareceram ao campeonato o Secretário de Governo, Cafú César, e a primeira-dama e presidente do Fundo Social, Maria dos Anjos.

No teatro hortolandense palco de tantos espetáculos artísticos e culturais, um ringue especialmente montado pela Secretaria de Serviços Urbanos deu vida à exibição da nobre arte, como é conhecido o boxe no universo das artes marciais. Embora tenha sido organizado em caráter de exibição, sem considerar nocautes, o 1º Campeonato de Boxe da Melhor Idade do Jd. Amanda proporcionou uma atmosfera de competição real aos idosos participantes.

No total, a competição reuniu 16 pessoas, sendo cinco duplas femininas e três duplas masculinas, todos acima dos 60 anos. Trajados com calções, coletes de proteção do tórax, capacetes e luvas 14 oz (onças), os idosos vivenciaram a experiência de subir ao palco ao som de uma música tema escolhida por eles próprios, enquanto eram apresentados pelo announcer (locutor oficial desta modalidade) e ovacionados por amigos e familiares que compareceram em peso ao teatro.

Uma experiência única que marcou a vida dos idosos que participam das aulas de boxe do Centro de Convivência da Melhor Idade, como é o caso de Jacira Pacheco, de 69 anos. “Nunca imaginei que eu, depois de idosa, iria participar de algo assim, principalmente de um campeonato de boxe. Todo o dia eu tenho a obrigação de me levantar e ir ao Centro de Convivência para participar das atividades. É como se eu tivesse que me levantar para ir ao trabalho”, compara a aposentada, que há dois anos está inscrita no CCMI do Jd. Amanda.

Já no ringue, as presenças das ring girls, do árbitro e do cutman, pessoa responsável por cuidar dos lutadores, aumentavam ainda mais a experiência de um combate real. O clima de competição ganhou vida com a execução da música tema do clássico filme de boxe “Rock, Um Lutador”, a canção “Eye of The Tiger”, da banda Survivor. As lutas foram divididas em dois rounds, com um minuto cada. Ao final do combate, cada idoso foi premiado com medalhas fornecidas pela Secretaria de Esportes e Lazer.

A coordenadora do CCMI do Jd. Amanda, Josiane Crepaldi, exalta os esforços intersetoriais na organização do evento. “É simplesmente maravilhoso ver a participação dos idosos, que estão sempre dispostos a participar das atividades. Este campeonato é o resultado de um trabalho conjunto. O sentimento é de gratidão aos idosos e à Prefeitura, que possibilitou a realização desse evento”, afirma Josiane Crepaldi.

O ex-lutador profissional e treinador de boxe do CCMI, Alexandre Amaro, elenca os benefícios da arte marcial para o público da melhor idade. “O boxe não se resume apenas a jabs e diretos. O boxe é humanidade, carinho, respeito, humildade. O esporte proporciona tudo isso e o boxe, em especial, dá muita autoconfiança aos idosos, levando a essência da vida, da prática esportiva, do companheirismo, de fazer o bem e ajudar ao próximo. O esporte me resgatou e poder retribuir isso às pessoas com deficiência e aos idosos é algo muito gratificante”, comentou Alexandre Amaro, que também leciona aulas de boxe a pessoas com deficiência atendidas pela OSC (Organização da Sociedade Civil) Luta Pela Vida.

Entre todos os participantes, um chamou a atenção em especial. O mais velho entre todos os lutadores, com 87 anos, o idoso Sebastião Félix da Silva esbanjou superação e vitalidade na competição. “Eu estou bem graças a Deus. Eu nunca tinha participado de um campeonato de boxe. Foi muito bom”, revela.

Para o Secretário de Governo de Hortolândia, Cafú César, a organização do 1º Campeonato de Boxe da Melhor Idade é uma forma de reconhecer os esforços dos idosos na construção da cidade. “Esse é um governo que se preocupa em cuidar das pessoas, desde as criancinhas àqueles acima dos 60 anos. Se nossa cidade se tornou o que é hoje, devemos à experiência e esforços dos idosos, que participaram ativamente do desenvolvimento de Hortolândia. Quando pensamos a cidade para os próximos 30 anos, visamos cuidar das gerações futuras, priorizando a longevidade do nosso povo”, declarou Cafú César.

A primeira-dama e presidente do Fundo Social de Solidariedade, Maria dos Anjos, destacou o ineditismo da competição de boxe voltada aos idosos. “Cada atividade promovida com os idosos tem o objetivo de trazer melhor qualidade de vida ao público da melhor idade. Por isso, poder assistir ao boxe adaptado à melhor idade é uma oportunidade muito gratificante. O esporte adaptado, seja para pessoas com deficiência ou idosos, colabora para o empoderamento das pessoas. É, sem dúvidas, um evento que ficará marcado na história de Hortolândia e que vai inspirar outras cidades”, encerra Maria dos Anjos.

 

Consulte imagens do 1º Campeonato de Boxe da Melhor Idade clicando neste LINK.

Leia mais ...

Baile dos anos 60 anima idosos de Hortolândia

Evento organizado pelo CCMI Remanso contou com clássicos do flashback e roupas de época

Um dia para gastar as energias com os passinhos do flashback e abusar da criatividade na hora de se vestir. Assim foi a manhã desta segunda-feira (29/04) para os idosos cadastrados no CCMI (Centro de Convivência da Melhor Idade) Remanso Campineiro, durante o 1º Baile dos Anos 60’s. O evento organizado pelo órgão da Prefeitura vinculado ao Departamento de Direitos Humanos da Secretaria de Governo compõe o calendário de atividades programadas em virtude do mês da atividade física.

Ao som de clássicos interpretados pelo Quinteto Cultura, os idosos esbanjaram talento e muita disposição ao executar os passinhos do estilo de dança flashback. O grupo musical ligado à Prefeitura alegrou os idosos com sucessos dos anos 60’s e das décadas seguintes, como “Whisky a Go Go”, de Roupa Nova, “Garçom” de Reginaldo Rossi e “Fogo e Paixão”, de Wando.

A psicóloga e coordenadora do CCMI Remanso, Fernanda Fadiga, explica que a ideia de organizar o baile partiu dos próprios idosos. “Esta é a primeira vez que organizamos um baile com o tema específico dos anos 1960. A ideia surgiu dos próprios idosos. São muitos os benefícios, como a melhora da autoestima, a memória afetiva dos anos 60, quando eram todos jovens, o resgate de parte da própria história. Junto com esses benefícios, acabamos trabalhando a atividade física”, esclareceu Fernanda Fadiga, ao elogiar o empenho dos idosos em se caracterizar para o baile com roupas de época.

Dalzi Alves da Silva foi uma dessas pessoas que solicitou a organização do baile temático. A nostalgia da época é refletida pela vitrola, discos vinis e fitas cassetes, itens que a idosa trouxe para ajudar na decoração. “Como é bom relembrar a época em que tínhamos 15 anos. Hoje nós nos sentimos como se tivéssemos essa idade. Para mim, esse baile representa isso: relembrar a nossa juventude”, comenta a moradora do Jd. Campos Verdes, que destaca o desempenho de alguns colegas que dançaram a manhã toda.

Além de se divertirem e dançarem ao som de “YMCA”, de Village People, e “Girls Just Wanna Have Fun”, de Cyndi Lauper, o baile dos anos 60 também foi uma oportunidade para os idosos do CCMI colocarem a criatividade para fora no quesito moda. Os idosos se caracterizaram para o baile usando roupas com estampas florais e geométricas, laços de bolinhas e vestidos no estilo trapézio. A coordenação do CCMI Remanso premiou com medalhas as seis melhores fantasias do baile.

A diretora do Departamento de Direitos Humanos da Prefeitura de Hortolândia, Marlene Batista, destaca os benefícios do baile para o público da melhor idade. “O baile dos anos 60 para a melhor idade é muito mais do que uma simples atividade recreativa da Melhor Idade Remanso. Este baile é um espaço de inclusão, de resgate de memórias e de promoção da saúde física e mental dos idosos. Além de proporcionar momentos de diversão e socialização, esses eventos contribuem para a manutenção da autonomia e da autoestima dos participantes, mostrando que a idade não é um limitador para a alegria e para a vivacidade. É fundamental valorizar e apoiar iniciativas como essa, que enriquecem a vida dos nossos idosos e fortalecem os laços”, declara Marlene Batista.

 

Conheça os idosos premiados no quesito melhoras fantasias do baile dos anos 60:

Vanide Correia 

Flodomira Ap. Borges

Maria Aparecida Bantofe

Almir Honório

Sueli Alves

Claudete Cipolla

Leia mais ...

Idosos de Hortolândia se preparam para o 1º Campeonato de Boxe da Melhor Idade da região

Torneio esportivo será realizado no Teatro Elizabeth Keller de Matos, na terça-feira (30/04)

Luvas, protetor bucal, capacete e coletes de proteção. Esses itens, comumente usados por pugilistas profissionais, vão ser utilizados por idosos de Hortolândia. Isso porque o CCMI (Centro de Convivência da Melhor Idade) do Jd. Amanda organiza, às 14h de terça-feira (30/04), o 1º Campeonato de Boxe da Melhor Idade da RMC (Região Metropolitana de Campinas). A competição idealizada pelo órgão vinculado à Secretaria de Governo terá como palco o Teatro Elizabeth Keller de Matos, localizado na Rua Graciliano Ramos, 280, no Jd. Amanda.

O 1º Campeonato de Boxe da Melhor Idade do Jd. Amanda foi idealizado em uma reunião promovida pelo CCMI do Jd. Amanda, como explica a coordenadora do órgão, Josiane Crepaldi. “A ideia surgiu em janeiro deste ano, quando nos reunimos com os professores, para discutirmos as atividades que compõem o nosso planejamento anual. Durante essa reunião, surgiu a ideia de organizar esse campeonato com os idosos que participam regularmente das aulas de boxe”, esclarece Josiane Crepaldi.

O campeonato contará com a participação de 20 idosos, sendo 5 duplas masculinas e 5 duplas femininas, totalizando dez lutas. A luta será composta por dois rounds, com duração de um minuto cada. Entre um round e outro, os idosos terão descanso de um minuto. Todos os idosos que participarão da competição são membros cadastrados no CCMI e alunos das aulas de boxe promovidas pelo órgão. 

A competição contará com algumas regras específicas. Os lutadores só poderão atingir os oponentes com socos acima da linha da cintura e nas laterais, com luvas fechadas de medida 14 oz (onças). Golpes nos braços não serão considerados pelos juízes. Estão proibidos golpes na nuca, assim como movimentos para agarrar, chutar, dar cabeçada ou empurrar o oponente. O regulamento da competição não prevê a ocorrência de nocaute, sendo que a competição tem caráter de exibição das técnicas aprendidas durante as aulas.

O ringue da competição está sendo especialmente montado pela Secretaria de Serviços Urbanos. Já a premiação será concedida pela Secretaria de Esporte e Lazer. Antes do combate, cada idoso entrará no ringue ao som de alguma música tema de sua própria escolha. O evento também contará com “ring girls” e árbitro, uma forma de aproximar os idosos da experiência de uma competição oficial, como explica o professor de boxe do Centro de Convivência da Melhor Idade do Jd. Amanda e ex-lutador de MMA, Alexandre Amaro.

“Em especial, para este campeonato, nós estamos realizando treinos extras, em que montamos um ringue improvisado, para eles terem noções do espaço. A ideia é fazer com que a experiência chegue mais próxima da realidade. O empenho dos idosos está sendo excepcional. As pessoas passam em frente ao CCMI e param para vê-los treinar. Este será o 1º Campeonato de Boxe da Melhor Idade da região de Campinas, então nossa expectativa é muito positiva”, comenta Alexandre Amaro.

Entre os participantes do 1º Campeonato de Boxe da Melhor Idade de Hortolândia, uma idosa chama a atenção. Maria Luiza Nardes, 73 anos, foi decacampeã de competições estaduais de karatê, modalidade na qual é faixa preta. Mesmo experiente com a prática da arte marcial nipônica, a idosa não esconde a ansiedade em participar de uma competição de boxe.

“Eu tenho experiência com karatê. Sou faixa preta e campeã estadual por dez vezes. O karatê é uma luta mais distante, já o boxe exige mais contato, é mais próximo, uma novidade para mim. Eu estou muito ansiosa, porque é uma luta diferente, os golpes são diferentes. Não usamos a perna, por exemplo, o que é muito comum no karatê. Eu não vejo a hora de chegar o dia da competição”, revela Maria Luiza, que treina boxe há um ano.

 

SERVIÇO

1º CAMPEONATO DE BOXE DA MELHOR IDADE DE HORTOLÂNDIA

Organização: CCMI (Centro de Convivência da Melhor Idade) do Jd. Amanda

Data: terça-feira, 30 de abril

Horário: 14h

Local: Teatro Elizabeth Keller de Matos

Endereço: Rua Graciliano Ramos, 280, no Jd. Amanda

Leia mais ...

Gincana da Melhor Idade abre inscrições para idosos de Hortolândia

Atividade é aberta a idosos da cidade, independentemente de vínculo com o CCMI; inscrições se encerram no dia 25/04

O CCMI (Centro de Convivência da Melhor Idade) do Remanso Campineiro, órgão da Prefeitura vinculado à Secretaria de Governo, iniciou, nesta semana, as inscrições para a 10ª Gincana da Melhor Idade. Podem participar da atividade idosos moradores de Hortolândia que tenham 60 anos ou mais. Neste ano, a Gincana da Melhor Idade será organizada entre os dias 21 a 24 de maio, em celebração ao aniversário de 33 anos de Hortolândia.

Para efetivar a inscrição, é necessário comparecer à sede do CCMI Remanso, localizada na Rua Euclides Pires de Assis, 200, no Remanso Campineiro, portando documento de identidade e comprovante de endereço. As inscrições serão recebidas até o dia 25 de abril. Já os idosos atendidos pelos CRAS (Centro de Referência em Assistência Social) podem efetivar as inscrições nas unidades onde são atendidos.

Em 2023, a Gincana da Melhor Idade promovida pelo CCMI Remanso reuniu cerca de 250 idosos da cidade, que se organizaram em quatro equipes: azul, verde, vermelha e a equipe amarela, que se consagrou a campeã. Durante a gincana, os idosos foram avaliados por meio de provas de atividades físicas, provas culturais, provas relâmpagos e provas de solidariedade. Todos os idosos receberam medalha de participação. Já as equipes participantes receberam troféus.

De acordo com a coordenação do CCMI Remanso, os desafios da gincana deste ano estão em fase de elaboração. Ainda segundo o órgão, cerca de 90 idosos da cidade já efetivaram inscrição.

A psicóloga e coordenadora do CCMI Remanso, Fernanda Fadiga, destaca os benefícios da gincana para os idosos. “A Gincana da Melhor Idade é uma porta de entrada para que idosos da cidade conheçam os serviços e equipamentos públicos voltados especialmente a pessoas com 60 anos ou mais. A Gincana é um convite para a prática de exercícios físicos, para cuidados com a saúde, mas também para a integração entre o público da melhor idade. Muitos dos nossos inscritos começaram a frequentar o CCMI depois de participarem da Gincana. Esta é uma oportunidade para que eles enxerguem um mundo que ainda não conhecem, para que se sintam livres e protagonistas da própria história”, declara Fernanda Fadiga.

 

SERVIÇO

10ª Gincana da Melhor Idade de Hortolândia

Realização: CCMI do Remanso

Inscrições: presencialmente, até 25 de abril, na sede do CCMI Remanso

Endereço: Rua Euclides Pires de Assis, 200, no Remanso Campineiro

O que levar: Documento de Identidade e Comprovante de Endereço

Leia mais ...

Idosos de Hortolândia se divertem com os passinhos do flashback

Atividade compõe as ações programadas pelo CCMI Remanso em comemoração ao Mês da Atividade Física

“Exercícios físicos não mudam apenas o corpo, mas também a mente, as atitudes e o humor”. Foi com essa mensagem que idosos de Hortolândia participaram do aulão de flashback organizado pelo CCMI (Centro de Convivência da Melhor Idade) do Remanso Campineiro em parceria com o Programa Viva Mais, ambos órgãos da Secretaria de Governo da Prefeitura de Hortolândia.

Ao som de clássicos do estilo flashback dos anos 1980, como Abba, Ritche e Roupa Nova, os idosos cadastrados no CCMI Remanso puderam aprender alguns elementos básicos do estilo de dança comumente conhecido como “passinho”. A atividade foi adaptada ao público da melhor idade, como explica a professora de flashback do Programa Viva Mais, Lucimara Cristina Rossini. 

“Como a atividade foi voltada ao público da terceira idade, buscamos apresentar passinhos mais fáceis de serem executados, usando mais o movimentos dos braços, para permitir que a maioria conseguisse participar. Por se tratar de um aulão, focamos mais na coreografia e não exploramos muito as técnicas dos passos. A adesão do público do CCMI foi muito grande, porque é um povo muito animado”, esclarece Lucimara.

Uma dessas idosas que demonstrou muita animação durante o aulão de flashback foi a moradora do Pq. Orestes Ôngaro, Maria Aparecida Pereira. “Eu achei ótima a atividade. Eu já conhecia alguns passinhos, não é um estilo totalmente novo pra mim. Tudo o que vier de dança aqui (no CCMI), nós dançamos”, afirma.

O aulão de flashback também foi uma boa atividade recreativa para os alunos menos familiarizados com o estilo, como é o caso da idosa Maria Moraes, de 71 anos. “Eu faço de tudo  um pouco aqui na Melhor Idade, desde ginástica até Lian Gong. Eu já dancei muito na vida, quando era solteira. Eu estou aprendendo passinho agora. Antigamente era acostumada a dançar forró”, revela a moradora do Remanso Campineiro.

A psicóloga e coordenadora do CCMI Remanso, Fernanda Fadiga, explica o propósito da ação. “Buscamos a parceria do programa Viva Mais para trazer um aulão de flashback, como forma de despertar outro olhar nos idosos. Essa atividade também tem relação com a temática dos exercícios físicos, já que no dia 06 de abril comemoramos o Dia Mundial da Atividade Física”, comenta.

Fernanda Fadiga considera também que a promoção de ações conjuntas promovidas pelos diversos departamentos da Prefeitura facilita o acesso dos idosos a vários serviços públicos.  “Outro benefício que percebemos durante a atividade foi a integração multigeracional, já que a ação reuniu pessoas de diferentes idades. Os alunos do programa Viva Mais se empenharam em ajudar nossos idosos a executarem as danças, demonstrando muito carinho e paciência. Esse tipo de parceria com outras secretarias e serviços ofertados pela Prefeitura tem feito a diferença”, declara Fernanda Fadiga. 

Neste mês, uma das ações intersetoriais promovidas pela Prefeitura de Hortolândia foi a vacinação contra a gripe de mais de cem idosos cadastrados no CCMI Remanso. A ação contou com o apoio da Secretaria de Saúde.

Leia mais ...

Peça teatral resgata memória de idosos de Hortolândia

Circo-teatro do grupo Chico Pepeu divertiu os idosos do CCMI Remanso 

Um dia para relembrar a juventude e se divertir com uma típica história da roça. Assim foi a manhã desta quinta-feira (04/04) para os idosos inscritos no CCMI (Centro de Convivência da Melhor Idade) Remanso, órgão vinculado à Secretaria de Governo, durante a exibição do projeto circense itinerante “Circo-Teatro: Eu Fui”, de autoria do grupo Chico Pepeu Produções Artísticas. A atividade cultural contou com o apoio da Secretaria de Cultura.

Inspirada em piadas de duplos sentidos, em figurinos caricatos e nas peripécias de palhaços caipiras que marcaram uma geração, como Casquinha, Barnabé e Mazzaropi, a peça teatral “Circo-Teatro: Eu fui” narra a história de um pai ciumento e controlador, o Tonho, que morre de ciúmes da filha Rosinha, sua única companhia na humilde casa onde vivem.

Do café da manhã simples ao rádio que toca clássicos da música sertaneja raiz, como “Velha Porteira”, de Lourenço & Lourival, o cotidiano pacato de pai e filha começa a mudar quando um terceiro personagem surge na história: Nénzinho é um homem apaixonado e um tanto atrapalhado, que sonha em se casar com Rosinha, mas que não encontra a coragem necessária para pedir a mão da jovem em casamento.

O clímax do enredo explora as tentativas de Rosinha em esconder Nénzinho, já que seu pai, Tonho, não tolera a presença de outro homem na casa. E para isso, vale de tudo, desde cenas de esconderijo, enganação bem frente aos olhos e Nénzinho se passando por sombra de Tonho e, até mesmo, por santo. 

Para o criador do grupo e diretor da peça teatral, Chico Pepeu, o espetáculo busca trabalhar com a memória do público. “Esta peça é para retratar o circo antigo, o chamado circo-teatro. Esses dramas eram comuns na década de 1970, por isso é destinado ao público da melhor idade, que se lembra da época em que frequentavam os circos”, explica. 

Durante a encenação, o protagonista quebra, em vários momentos, a quarta parede, improvisando diálogos com a plateia. “É muito satisfatório se apresentar para o público da melhor idade de Hortolândia. Nós percebemos, em visita a outras cidades, que não há a mesma estrutura e ações voltadas ao idosos. Nós buscamos despertar nos idosos a vontade de atuar”, comenta Chico Pepeu.

A atriz Priscila Martins dá vida à personagem Rosinha. A artista comenta sobre a troca entre público e atores. “É maravilhoso ver os idosos resgatarem por meio da comédia, do circo-teatro, os momentos que eles viveram na juventude. Durante a apresentação, conseguimos perceber que eles têm essa nostalgia aflorada”, afirma.

Um dos idosos que se viu encantado pelo resgate da memória foi o membro do CCMI Remanso, Manoel Pereira de Souza. “O rádio me faz lembrar do tempo em que eu morava no sítio. Eu também me lembro das cartas de namoro. Eu cheguei a fazer isso”, revela.

Para o ator Pedro França, o Nénzinho, a interação com os idosos foi muito positiva. “Eu atuo há quinze anos, mas essa está sendo uma experiência nova para mim, já que estou acostumado a atuar para o público infantil. É muito bom receber essa energia alegre e feliz. É um prazer enorme fazer esse tipo de espetáculo para a melhor idade”, declara o ator.

A psicóloga e coordenadora do CCMI Remanso, Fernanda Fadiga, esclarece que a atração artística tem por objetivo complementar as diversas atividades ofertadas ao público da melhor idade. “Rir também é um santo remédio, faz bem para o corpo e para a alma. Este tipo de atividade transmite a mensagem de que rir das coisas e rir de si mesmo faz uma diferença muito grande, pois nos ajuda a, naturalmente, não dar tanto peso para nossos problemas”, encerra Fernanda Fadiga.

 

FICHA TÉCNICA

“Circo-Teatro: Eu Fui!”

Realização: Secretaria de Governo e Secretaria de Cultura

Elenco: Chico Pepeu, Pedro França e Priscila Martins

Direção Artística: Chico Pepeu

Produção: Chico Pepeu Produções Artísticas

Sonoplastia e Iluminação: Pietro Wallace

Videomaker: Rafael Morales

Duração: 50 minutos

Classificação: Livre

Leia mais ...