Menu


Ação de retomada do Projeto “Achei um Livro” é nesta sexta-feira (08/10)

Prefeitura convida moradores de Hortolândia a procurar exemplares embalados para presente, espalhados em três espaços da Região Central

A Prefeitura de Hortolândia retoma, nesta sexta-feira (08/10), às 8h, o projeto “Achei um livro”, uma espécie de “desafio literário”, que visa estimular a leitura entre os moradores da cidade. A ação é promovida pela Biblioteca Municipal “Terezinha França de Mendonça Duarte”, da Secretaria de Cultura. Criado em 2018, foi temporariamente suspenso em dezembro de 2019 por causa da pandemia do Coronavírus, sendo retomado agora. 

Para participar da busca, basta ir a um dos três locais na Região Central, onde as equipes da Biblioteca Central espalharão, ao longo do dia, os 30 livros e procurar os exemplares embalados para presente: o Parque Socioambiental “Chico Mendes”, a Praça “Neusa Maria M. Francisco” e o entorno do Open Shopping, onde está localizada a Biblioteca. As obras tratam de diversos assuntos, tais como biografias e literatura brasileira, estrangeira e infantojuvenil. O “presente” é, na verdade, um convite para que o participante se dirija até o espaço cultural. Na embalagem vem junto um bilhete com informações da biblioteca, um selo indicando o assunto de que trata o livro e outro com o número do BiblioZap, o whatsapp da biblioteca - (19) 98970-7332. A ideia é, deste modo, aguçar a curiosidade do público e promovê-la como espaço de leitura. 

A volta acontece com mudanças: os embrulhos agora serão na cor parda, como nas primeiras versões do projeto; além disso muda a periodicidade do projeto, que passa a ser bimestral, sempre na segunda sexta-feira do mês em que for realizado. Isso garantirá que a ação aconteça o ano todo e não semestralmente como era feito.

“Este projeto é um dos mais bem avaliados pelos munícipes e, para biblioteca, é muito importante a visibilidade que ele traz. Aos poucos e com responsabilidade, queremos retomar ao ritmo normal de empréstimos de livros e fluxo de interagentes do período antes da pandemia” afirma o bibliotecário Rafael Antonio da Silva.

A Biblioteca Municipal fica na Rua Luiz de Camilo Camargo, 581, no piso inferior do Open Shopping, no Centro de Hortolândia. O horário de atendimento é de segunda a sexta, das 8h às 17h. Para serviços como empréstimos, renovações presenciais, cadastro de usuários, o horário vai até 16h50. Para informações e dúvidas o telefone é (19) 3887 1684 e o e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .

Biblioteca Central está em processo de informatização

Por meio do software Biblivre, que está sendo implantado, usuários podem consultar de casa o acervo da biblioteca

Nestes tempos cada vez mais digitais, o acesso à informação está a um clique de distância. É por isso que a Prefeitura iniciou a informatização da Biblioteca “Terezinha França de Mendonça Duarte” (Biblioteca Central).

Vinculada à Secretaria de Cultura, a biblioteca implantou o software Biblivre com o objetivo de ter melhor controle de seu acervo e agilizar o atendimento ao público. O Biblivre é um software livre (programa que pode receber adaptações e/ou modificações sem necessidade de solicitação de permissão ao seu proprietário) para catalogação de acervos de bibliotecas públicas e privadas. O programa foi desenvolvido pela SABIN (Sociedade Amigos da Biblioteca Nacional), com apoio da COPPE/UFRJ (Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro) e patrocinado pelo Instituto Itaú Cultural.

O processo de implantação começou em 2014 e ainda está em curso. “O objetivo é reunir todas as rotinas de administração da biblioteca e circulação de obras (empréstimo, devolução e renovação)”, explica Rafael Antônio da Silva, bibliotecário responsável pela implantação do software.

Um dos objetivos já foi concluído: cadastrar todos os mais de três mil usuários da biblioteca. Eles já podem retirar a nova carteirinha, que vem com código de barras integrado ao software. Por meio do código, cada usuário tem seu histórico registrado (livros emprestados, datas de devolução, atrasos e suspensões). Os novos usuários também receberão esse modelo da carteirinha. O processo de cadastro dos livros também está em curso, mas demorará um pouco mais, pois obedece a regras específicas. “Acredito que já estejamos com cerca de 60% do acervo cadastrado”, observa Silva. A biblioteca tem cerca de 20 mil títulos, estima o bibliotecário.

Para os usuários, a grande vantagem do software é poder consultar de casa, a qualquer hora, o acervo da biblioteca e verificar se o livro procurado está disponível. Há ainda obras, já em domínio público, que estão sendo digitalizadas. Algumas delas também já podem ser consultadas.

Encerrada a implantação na Biblioteca Central, que é o projeto piloto, Rafael diz que os próximos passos são treinar os usuários para utilizá-lo e expandir o software para a Biblioteca “Luz do Saber”, no Jardim Amanda. Em média, a Biblioteca Central tem movimento de 700 a 1.100 usuários por mês.