Menu


Modo correto de descartar máscaras garante proteção a coletores e à comunidade

Entre as orientações para a prevenção e o combate à COVID-19 está o uso de máscaras de proteção individual. Esse material, no entanto, pode trazer graves consequências ao meio ambiente e à saúde dos coletores e da comunidade em geral, se descartado incorretamente, alerta a Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. Por isso, a Prefeitura de Hortolândia faz um alerta quanto aos cuidados necessários na hora do descarte destes equipamentos. A recomendação é que a população utilize máscara de tecido, que pode ser reutilizada após a lavagem, seguindo todas as orientações e os cuidados necessários.

Caso seja utilizada máscara descartável, após o uso, ela deve ser descartada dentro de um saco plástico bem amarrado, depois colocado junto com o lixo do banheiro. O saco plástico diminui o risco de contaminação e cria uma barreira de proteção, quando coletado pelos catadores. O material, em hipótese alguma, deve ser separado para coleta seletiva, destinada a recicláveis.

O cuidado é pessoal, mas os benefícios são coletivos. Além de se proteger contra o vírus, que pode estar circulando à sua volta, a pessoa impede a transmissão da COVID-19 aos demais, caso esteja com a doença e ainda não saiba.

Casos suspeitos ou confirmados

Em residências em que há casos suspeitos ou confirmados, todos os resíduos, não apenas máscaras ou luvas de proteção, devem ser descartados como lixo orgânico, colocados em dois sacos plásticos, com até dois terços de sua capacidade e fechados com lacre ou dois nós.

Neste caso, nenhum item deve ser separado para a coleta seletiva, para evitar o contágio e proliferação da doença. É importante também respeitar dias e horários de coleta.

Proteção

Segundo a Secretaria de Saúde, para retirar a máscara de proteção com segurança, após uso, é preciso tomar alguns cuidados. Segure pelo elástico por trás das orelhas, mantendo a máscara afastada do rosto, do cabelo e das roupas, não tocando nas superfícies externas para evitar a contaminação. Assim que depositada no lixo, lave as mãos com água e sabão ou passe álcool em gel para higienização. Esta orientação vale também para utilização de luvas.

#HortolândiaSolidária #FiqueEmCasa #Coronavírus

 

Campanha de vacinação contra Sarampo termina nesta sexta-feira (13/03)

  • Publicado em Saúde

Quem ainda não procurou a UBS (Unidade Básica de Saúde) mais próxima de casa durante esta Campanha Nacional de Vacinação contra Sarampo, tem até esta sexta-feira (13/03) para providenciar a atualização da caderneta de vacinas. Em Hortolândia, a imunização está disponível, de forma seletiva, para pessoas com idade entre seis meses e 60 anos. Nas unidades de saúde, os profissionais avaliam as anotações da caderneta de cada pessoa para identificar a necessidade ou não de doses de reforço. Nesta campanha, das 7.770 pessoas que procuraram uma UBS para avaliação, 284 receberam a imunização, o que representa 3,7% dos atendidos.

De acordo com a Secretaria de Saúde de Hortolândia, as crianças devem ter duas doses da vacina contra Sarampo e um reforço, conforme o Calendário Obrigatório. Já os adultos precisam ter, pelo menos, duas doses da vacina anotadas. É importante que todos compareçam à UBS, inclusive aquelas pessoas que tenham doses de vacina contra Sarampo anotadas na caderneta. 

Orientações

Mesmo no período fora da Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo, qualquer pessoa com idade até 59 anos que ainda não se vacinou ou não se lembra se recebeu a vacina alguma vez na vida, deve procurar a UBS mais próxima de casa para que a equipe da sala de vacina avalie a necessidade da proteção.

O Sarampo, que estava erradicado no Brasil, foi reintroduzido no território nacional. Desde agosto de 2019, as unidades de saúde de Hortolândia passaram a oferecer vacina contra Sarampo para crianças de seis a 11 meses de idade, por recomendação do Ministério da Saúde. A medida tem como objetivo ampliar a cobertura vacinal e oferecer proteção para as crianças menores de 12 meses,  contribuindo para o controle da doença. Na ação de reforço, a dose extra aplicada de seis a onze meses não terá validade como rotina: as crianças precisam ser vacinadas novamente aos 12 e 15 meses de idade.

A Prefeitura também realiza ação de bloqueio após a notificação de suspeitas, mesmo antes da doença ser confirmada ou descartada, com vacinação das pessoas que tiveram contato com o paciente. Neste ano, dois casos da doença são investigados na cidade.

Não compartilhe informações falsas

  • Publicado em Saúde

Nesta quinta-feira (12/03), uma mensagem falsa sobre crianças infectadas pelo Coronavírus na Emei Jd. Amanda I preocupou pais e responsáveis.

Informamos que Hortolândia não registrou nenhum caso confirmado da doença.

A Prefeitura monitora todos os casos suspeitos e orienta a população sobre as ações de prevenção e contenção.

#CoronavírusBrasil #Hortolândia

Prefeitura faz parceria com escolas estaduais para levar informações sobre Coronavírus aos estudantes

  • Publicado em Saúde

Desde esta segunda-feira (09/03), escolas estaduais de Hortolândia recebem profissionais da Secretaria de Saúde da Prefeitura que trabalham com ações pedagógicas. O objetivo é levar informações sobre o Coronavírus aos alunos do Ensino Fundamental – Ciclo II e Ensino Médio. De acordo com a pedagoga da Secretaria de Saúde, Renata Cristina Muller, o foco da palestra nas escolas é principalmente desmistificar as Fake News. “Levamos informações sobre o que é verdadeiro e falso em relação à prevenção e ao contágio por Coronavírus”, destacou.

A primeira escola a receber a palestra foi a E.E. (Escola Estadual) Paulina Rosa, no Jd. Santa Rita de Cássia. Nesta terça-feira, Renata explica que se reunirá com a Diretoria Regional de Ensino, em Sumaré, para definir o calendário de atendimento das demais escolas estaduais de Hortolândia. “É importante que os alunos tenham orientações sobre a doença para que ações de combate sejam reforçadas”, destacou a pedagoga.

De acordo com a Secretaria de Saúde, a manifestação da infecção por Coronavírus é muito ampla, podendo variar de um simples resfriado até uma pneumonia grave. A transmissão entre pessoas geralmente ocorre entre contatos próximos e o período médio de incubação do Coronavírus é de 5 dias, com intervalo que pode chegar até 16 dias. Pessoas infectadas transmitem a doença mesmo sem apresentar os sintomas. Por isso, é importante que toda a população reforce os hábitos de higiene, como cobrir a boca e o nariz ao tossir e lavar as mãos com frequência.

A Prefeitura de Hortolândia treinou profissionais das UBSs (Unidades Básicas de Saúde), das UPAs-24h (Unidades de Pronto Atendimento) e do Hospital Municipal sobre a doença COVID-19, causada pelo Coronavírus. O objetivo foi definir a conduta a ser adotada, caso o município registre suspeitas da doença. Até esta segunda-feira, a cidade tem um caso suspeito. O paciente é um homem que viajou recentemente para a Itália. Ele se recupera bem e está em casa, onde segue em isolamento. O atendimento deste paciente foi realizado em hospital particular de Campinas.

De acordo com o Departamento de Vigilância em Saúde, todas as unidades de saúde da cidade estão preparadas para adotar as medidas necessárias de acompanhamento e tratamento de pacientes com suspeita de Coronavírus. São considerados suspeitos os casos de pessoas que, além de apresentarem sintomas respiratórios, também tenham entrado em contato próximo com algum caso confirmado ou suspeito de pessoa infectada pelo Coronavírus ou quem tem histórico recente de viagem à países da América do Norte, Ásia ou Europa. Se alguma pessoa se enquadrar nestes critérios, deve procurar a unidade de saúde mais próxima de casa e informar logo no primeiro atendimento à suspeita.

Prefeitura faz parcerias para intensificar cirurgias de catarata

  • Publicado em Saúde

Desde o início deste ano, a Prefeitura de Hortolândia intensifica a oferta de cirurgias de catarata para os pacientes que já tem pedido médico para a intervenção. A ação acontece em parceria com instituições como o Hospital Samaritano, o Hospital de Barueri e o Hospital Ouro Verde. As cirurgias já começaram a ser realizadas e, toda semana, 50 pacientes são enviados para realizar a operação, que garante maior acuidade visual e mais qualidade de vida aos idosos. De acordo com a Secretaria de Saúde, há cerca de mil pacientes na cidade que aguardam por cirurgias de catarata. A estimativa é que em cinco meses toda a demanda seja atendida.

Uma das pacientes que já fizeram a cirurgia é a dona de casa Rosária Valero, de 66 anos, Moradora da região do Jd. Santa Clara, ela foi chamada para ser atendida pelo Hospital de Barueri, onde fez o procedimento na semana passada. “Só tenho que agradecer à Deus por ter feito esta cirurgia, que me proporcionou voltar a enxergar. Na semana que vem, tenho retorno de pós-operatório, mas já percebo que minha visão está muito boa”, disse.

A secretária de Saúde, Mary Guiomar Almeida Rocha enfatiza que as parcerias realizadas com os hospitais beneficiarão toda a demanda de pacientes. “Vamos conseguir solucionar a situação destas pessoas, que estão ansiosas para poder enxergar bem novamente”, afirmou.

CATARATA

A catarata é um turvamento progressivo do cristalino (lente natural do olho), que interfere na absorção da luz que chega à retina, provocando diminuição da visão. Não existem medicamentos que possam reverter a catarata, sendo que a melhor solução é a cirurgia.

A principal causa da catarata é o processo natural de envelhecimento do olho. A estimativa da OMS (Organização Mundial da Saúde) é de que mais da metade das pessoas  acima dos 65 anos têm catarata. No Brasil, são 120 mil novos casos ao ano.

Assinar este feed RSS