Menu


Centro de Memória inaugura exposição sobre Mestre Chiquinho, nesta quarta-feira (15/12)

Exposição pode ser visitada das 9h às 16h; espaço abrirá neste sábado e domingo (18 e 19/12) 

Hortolândia faz uma homenagem dupla para um de seus moradores mais ilustres, Mestre Chiquinho. Nesta quarta-feira (15/12), a Prefeitura inaugura a exposição “Chiquinho: trajetória e legado do mestre do mundo”, no Centro de Memória Professor Leovigildo Duarte Junior, localizado na rua Rosa Maestrello, 2, Vila São Francisco. A abertura oficial aconteceu como surpresa para o homenageado, e com presença de convidados e do prefeito José Nazareno Zezé Gomes, na noite desta terça-feira (14/12). No evento, houve outra homenagem: a estreia do documentário “Ao Mestre Chiquinho Com Carinho”, que já está disponível no canal do YouTube da Secretaria de Cultura (CLIQUE AQUI). O Centro de Memória funciona de terça a sexta-feira, das 9h às 16h, e no último fim de semana do mês. Em razão do período de fim de ano, exepcionalmente neste mês o espaço abrirá neste sábado e domingo (18 e 19/12).

Emocionado, Mestre Chiquinho agradeceu a todos os envolvidos na realização da exposição e do documentário. “A exposição ficou bonita e emociona a gente, não tem como. Afinal, a minha história está toda registrada nesta exposição”, destacou o homenageado. 

Um dos itens que surprendeu Mestre Chiquinho é uma foto antiga de seu avô. “O trabalho de recuperação dessa foto também ficou bonito. Essa imagem do meu avô tem mais de 100 anos. É a foto mais antiga da exposição”, conta Mestre Chiquinho.  

O prefeito José Nazareno Zezé Gomes destacou o trabalho de Mestre Chiquinho para preservar as tradições culturais na cidade. “Geralmente, é prestada homenagem quando a pessoa morre. Mas o correto é homenagear as pessoas que fazem a diferença em vida. Por isso, nada mais justo prestar esse reconhecimento à trajetória de vida de meu amigo Mestre Chiquinho. Ele é um ícone cultural de Hortolândia e merece todo o nosso carinho, respeito e admiração. Sou nascido no Paraná, e a minha vida sempre esteve ligada ao ‘ser’ caipira, em sua essência. Eu gosto da Folia de Reis e de catira. Admiro o ponteado da viola. Nossa orquestra de violeiros é um patrimônio histórico de Hortolândia. Tudo isso está ligado ao Mestre Chiquinho. Parabéns ao amigo Chiquinho, pois todas essas homenagens são mais do que justas”, destacou o prefeito.

De acordo com a historiadora Julia Rany Campos Uzun, responsável pela curadoria da mostra junto com o fotógrafo Kdu Oliveira, a exposição é um desdobramento do documentário. “A exposição faz uma linha do tempo da vida do Mestre Chiquinho. O objetivo é valorizar o legado do trabalho que ele realiza para manter vivas na cidade manifestações culturais populares, como a Folia de Reis, a catira e a viola caipira”, explica Julia. 

Mestre Chiquinho, cujo nome verdadeiro é Francisco Aparecido Borges de Almeida, nasceu na cidade de Arealva, na região de Jaú e Bauru. Morador de Hortolândia desde 1976, ele ajudou a criar a Companhia de Santos Reis “Rosa dos Anjos”, nos anos 1980, que mantém viva a tradição da Folia de Reis na cidade. É também um dos criadores do grupo Pioneiros do Catira, em 2006, que faz apresentações de catira, estilo de dança popular cujo ritmo é conduzido pelas batidas dos pés e das mãos dos dançarinos. Mestre Chiquinho ainda é um dos idealizadores da Orquestra de Viola de Hortolândia, criada em 2009, e que inicialmente chamava-se Orquestra de Viola Comitiva da Esperança. Mais recentemente, Mestre Chiquinho criou o grupo Rainhas do Catira, formado por mulheres. Desde 2006, Mestre Chiquinho é parceiro da Prefeitura, responsável por coordenar e ministrar aulas de violão e viola caipira, oferecidas pela Administração Municipal. 

A exposição reúne cerca de 100 objetos, dentre fotos, vestimentas, fantasias e outros itens, que fazem parte dos acervos pessoal de Mestre Chiquinho e do Centro de Memória. A historiadora Julia Uzun explica que nas placas de identificação de cada objeto há um QR Code que, ao ser visualizado com o celular, oferece acesso ao site Mapa da Cultura (CLIQUE AQUI), onde o visitante terá mais informações sobre o tema da exposição.

O visitante ainda poderá conferir na exposição o documentário “Ao Mestre Chiquinho Com Carinho”. Com 30 minutos de duração, o documentário conta a vida de Mestre Chiquinho. O roteiro começa com sua origem em Arealva. Depois, mostra sua chegada a Hortolândia. A partir daí, o documentário foca o trabalho de Mestre Chiquinho para manter vivas as tradições da cultura caipira na cidade. Para refazer a trajetória de Mestre Chiquinho, o documentário conta com entrevistas e depoimentos de 15 pessoas, dentre amigos, parentes, familiares e integrantes dos grupos coordenados por ele. O documentário apresenta mais de 20 fotos do acervo pessoal de Mestre Chiquinho e do Centro de Memória. O documentário foi realizado pela Secretaria de Cultura em parceria com a produtora Rumo Audiovisual. O município foi selecionado pelo programa “Juntos Pela Cultura”, iniciativa da associação Amigos da Arte em parceria com o governo do Estado, para produzir o documentário. A direção é de Diego Freitas e Julia Rany Campos Uzun.